concomitância interna e externa - integrado - ensino médio

March 16, 2018 | Author: Anonymous | Category: Documents
Share Embed


Short Description

Concomitância Interna e Externa/Integrado/Ensino Médio/Normal de Nível Médio erna ível -1Prova aplicada em 20/01/2013 – ...

Description

1º SEMESTRE DE 2013

CADERNO DE QUESTÕES CONCOMITÂNCIA INTERNA COM O ENSINO MÉDIO CONCOMITÂNCIA EXTERNA COM O ENSINO MÉDIO ENSINO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO ENSINO MÉDIO NORMAL DE NÍVEL MÉDIO

PROCESSO SELETIVO – 1º SEMESTRE/2 013 – FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA (FAETEC)

CONCOMITÂNCIA INTERNA E EXTERNA/INTEGRADO/ENSINO MÉDIO/NORMAL E NÍ VEL MÉDIO LÍNGUA PORTUGUES

04 O último período do texto emonstra

Texto I para responder às questões de 0 a 04. (...) Os ditados, provérbios, frases-feitas eram moeda corrente no comércio diário familiar. Recorriam aos exemplos sacros e aos reparos dos antep ssados: – Como dizia meu avô: um gambá cheira o outro... E as imagens expressivas: – dar nó em pingo d’água, c mprida como a paciência de pobre, boca aberta como sino. O caçador vivia da boca de uma espingarda. O p scador vivia da vontade dos peixes. Depois da ceia faziam roda para conversar, espairecer, dono da casa, filhos maiores, vaqueiros, amigos, vizinhos. Café e poranduba. Não havia diálogo, mas uma exposição. Histórico do dia, assuntos do gado, desaparecimento de bois, aventuras do campeio, façanhas de um cachorro, queda num grotão, anedotas rápidas, recordações, gente antiga, valentes, tempo da guerra do Paraguai, cangaceiros, canta ores, furtos de moça, desabafos de chefes, vinganças, crueldades, alegrias, planos para o dia seguinte. Todos sabiam contar histórias. Co tavam à noite, devagar, com gestos de evocação e lindos desenhos mímicos com as mãos. Com as mãos a arradas não há criatura vivente para contar uma história. (...) (Luís da Câmara Cascudo. Literatura oral no Br  sil. Belo Horizonte: Itatiaia; São P aulo: Edusp, 1984.)

01 No texto, é usada predominantemente linguagem (A) formal. (B) erudita. (C) técnica. (D) coloquial. (E) científica.

(A) presença de ironia e hu or. (B) exagero, visando enfatiz r uma ideia. (C) comparação entre dois elementos diferentes. (D) suavização de fato que poderia causar incômodo ao interlocutor. (E) personificação de ser inanimado atribuindo-lhe atitudes humanas.

Texto II para responder às uestões de 05 a 07.

Manifestação: “A chuva não impediu a realização, ontem, de uma passeata pela paz promovida pela Paróquia de São Francisco de Assis, no bairro da Brasilândia, zona Norte da capital paulista. s manifestantes, alarmados com os constantes homicí dios registrados nas últimas semanas, exigiam providências. Somente na virada de sábado para domingo, 35 essoas foram baleadas e 14 delas morreram em São Paulo.” (O tempo, 26/11/2012.)

05 A frase “Á paz é fruto da ustiça” refere-se a uma das faixas carregadas por manifestantes na capital paulista e demonstra

02 De acordo com o texto, o fato de não haver diálogo na situação descrita indica (A) a imposição de costumes de uma época. (B) o isolamento das pessoas referidas no texto. (C) o fracasso da comunicação naquele c ntexto. (D) uma opção que não compromete a comunicação. (E) um péssimo relacionamento entre aq elas pessoas.

03 No período “Não havia diálogo, mas u a exposição.” , há uma relação de (A) oposição. (B) condição. (C) finalidade. (D) alternância. (E) consequência.

(A) uso de gíria. (B) marcas de oralidade. (C) aplicação da variante coloquial. (D) pleno domínio da norm padrão. (E) inadequação quanto à n rma padrão.

06 A legenda, texto logo abaix da imagem, tem a função de (A) divulgar a onda de homi ídios na capital paulista. (B) esclarecer a frase utilizada na faixa: “Á paz é fruto da

 justiça.”  (C) criticar o movimento de manifestação feito na capital paulista. (D) advertir o leitor acerca de movimentos considerados desordeiros. (E) informar sobre o motivo e a finalidade da manifestação na capital paulista.

Concomitância Inter a e Externa/Integrado/Ensino Médio/Normal de Nív l Médio -1-

Prova aplicada em 20/01/2013 – Disponível no site www.consulplan.nete www.faetec.rj.gov.bra partir do dia 21/01/2013

PROCESSO SELETIVO – 1º SEMESTRE/2 013 – FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA (FAETEC)

07

10

No trecho “A chuva não impediu a real  zação,...” , caso a expressão sublinhada seja substi uída por “As chuvas”, a forma verbal, considerando a manutenção do mesmo tempo verbal utilizado, será

Em “Toda aquela ladainha repetida à exaustão diante da fruta ou do prato de sa lada é a mais pura verdade: eles são mesmo important es...”, o termo em destaque refere-se a

(A) impedirás.

(A) pura verdade.

(B) impedirão.

(B) ladainha e exaustão.

(C) impediram.

(C) toda aquela ladainha.

(D) impedistes.

(D) fruta ou prato de salada.

(E) impediriam.

(E) grande número de nutri ntes.

Texto III para responder às questões de 8 a 11.

11

Dê uma chance aos verdes Se você cresceu ouvindo que os vegetais são fundamentais para uma alimentação saudável e ainda assim detesta qualquer tipo de verde, a má no ícia é que a sua mãe não estava mentindo. Toda aquela l dainha repetida à exaustão diante da fruta ou do prato de salada é a mais pura verdade: eles são mesmo importan es e, ao menos por enquanto, insubstituíveis em sua tarefa de fornecer nutrientes indispensáveis à saúde do orga ismo. A boa notícia é que, ao contrário do que ocorria quando você era criança, a ciência da nutrição avançou muito e hoje se sabe que existem, sim, lternativas para compensar, ao menos um pouco, as deficiências nutricionais de uma dieta pobre nesses alimentos.

A expressão “ ... ao menos or enquanto,...” estabelece, no contexto, uma indicaçã de (A) tempo passado. (B) tempo ilimitado. (C) limitação do tempo. (D) prolongação do tempo. (E) incerteza quanto à dura ão do tempo.

Texto IV para responder à uestão 12.

(Leoleli Camargo. Revista da olha, 06/01/2008.)

08 No trecho “... eles são mesmo importan tes...” , o termo em destaque indica (A) alerta. (B) conclusão. (C) intensidade. (D) confirmação. (E) generalização.

09 Acerca do título do texto III, é correto af irmar que é (A) apropriado, pois estabelece um diálo o com o leitor. (B) inapropriado, já que usa palavras no sentido conotativo.

(  Alma BBDO/Greenpeace.)

12

(C) apropriado, sendo curto e chamando a atenção do leitor.

A propaganda apresentada tem como finalidade

(D) inapropriado, pois não permite con ecer o assunto que será tratado.

(B) orientar sobre o uso correto da água.

(E) apropriado, á que esclarece o principal assunto do texto de forma objetiva.

(D) mostrar resultados da p eservação ambiental.

(A) demonstrar a conjugação do verbo. (C) incentivar o consumo d água potável. (E) conscientizar as pessoas acerca de uma questão ambiental.

Concomitância Inter a e Externa/Integrado/Ensino Médio/Normal de Nív l Médio -2-

Prova aplicada em 20/01/2013 – Disponível no site www.consulplan.nete www.faetec.rj.gov.bra partir do dia 21/01/2013

PROCESSO SELETIVO – 1º SEMESTRE/2 013 – FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA (FAETEC) Texto V para responder às questões de 13 a 19. Nossos netos não vão comer pastel! Pode ser ignorância nossa, mas não sabíamos que o novo vilão do planeta é o óleo de cozinha! Sim, aquele usado pra fritar pastel, bife à milanesa e batata frita! Sabíamos que jogar óleo usado na pia podia causar um grande entupimento. E que uma das op ões era jogá-lo na privada. Mas, como não somos cozi heiras de mão cheia e sabemos que frituras fazem a maior sujeira, nunca pensamos muito sobre o assunto óleo. Até que agora começaram a pipocar notas sobre o “descarte do óleo”. Ou seja: como jo ar aquele óleo usado fora!? Segundo os cientistas, o óleo dos pastéis pode ser o responsável por enchentes, morte dos fitoplânctons e até pelo aquecimento glob l! E não pense que isso não tem a ver com você porq e a única coisa que você cozinha é ovo na manteiga. Porque agora, comer uma coxinha é quase um crime c ntra o planeta, se você pensar bem. Deve ser por isso que algumas cozinheiras guardam o óleo velho e usado numa lata sinis ra, geralmente embaixo da pia. Elas deixam lá até pensarem numa maneira melhor de jogar fora o tal ól o assassino de fitoplânctons. Devem ir acumulando l tas e latas de óleo, em silêncio, por anos. E, depois, s m saber o que fazer, colocam tudo aquilo numa kombi , desaparecem pelo mundo e passam a viver na clandestinidade, cheias de culpa. Os ecologistas recomendam que você entregue o óleo para ONG’s que fazem reciclagem ou faça sabão caseiro. Sim, um sabão caseiro com o leo velho! Que nem naquele filme “Clube da Luta”, em que os sabonetes das madames eram feitos com a gordura a lipoaspiração. Eca! Só de pensar nisso já desistimos de comer qualquer coisa frita para sempre! Ou de usar sabon te. Uma coisa nos deixou triste: o fat de que talvez nossos netos (se tivermos algum) nunc conhecerão o sabor de um delicioso bife à milanesa ou de um pastel de queijo. Pense nas feiras sem bar aca de pastel. Certamente, ir à feira vai ficar mais triste. Porque, se a gente tiver que leva latas de óleos velhos para a reciclagem ou usar sabão com odor de fritura, vamos adotar só alimentos cozidos. No vapor. A vida fica cada dia mais triste no laneta Terra. E, por enquanto, vamos nos entupir de past l para esquecer disso.

Momento de histeria. Estamos fritas! (Jô Hallack, Nina Le mos e Raq Affonso. Nossos netos não vão comer pastel! Folhateen, s  plemento do jornal  Folha de S. aulo, 17/09/2007.)

13 Assinale o trecho que cont m a opinião das autoras. (A) “E que uma das opções ra jogá-lo na privada.”  (B) “... nunca pensamos muito sobre o assunto óleo.”  (C) “Sim, aquele usado pra ritar pastel, bife à milanesa e batata frita!”  (D) “Os ecologistas recom ndam que você entregue o óleo para ONG’s...”  (E) “... algumas cozinheir  s guardam o óleo velho e usado numa lata sinistr  ,...” 

14 De acordo com a forma do texto, é correto afirmar que se trata de (A) carta. (B) crônica. (C) entrevista. (D) reportagem. (E) propaganda.

15 O trecho que contém marc s de oralidade está indicado em (A) “Sim, um sabão caseiro om o óleo velho!”  (B) “Devem ir acumulando latas e latas de óleo, em silêncio, por anos.”  (C) “Até que agora começaram a pipocar notas sobre o ‘descarte do óleo’.”  (D) “Eca! Só de pensar ni  so já desistimos de comer  qualquer coisa frita par  sempre!”  (E) “Porque agora, comer u a coxinha é quase um crime contra o planeta, se voc  pensar bem.” 

16 O tema central do texto est á corretamente indicado em (A) relação entre avós e netos. (B) comércio de pastéis em feiras livres. (C) alerta para a obesidade na adolescência. (D) prática de esportes e ali entação saudável. (E) preocupação com o m io ambiente e qualidade de vida.

17 De acordo com o texto, a ignorância”  assumida pelas autoras é proveniente do (A) mau uso do óleo de cozinha. (B) fato de guardar óleo velho embaixo da pia. (C) costume de jogar óleo usado na pia da cozinha. (D) desconhecimento de todo mal causado pelo óleo de cozinha. (E) fato de não reciclarem óleo de cozinha velho fazendo sabão caseiro.

Concomitância Inter a e Externa/Integrado/Ensino Médio/Normal de Nív l Médio -3-

Prova aplicada em 20/01/2013 – Disponível no site www.consulplan.nete www.faetec.rj.gov.bra partir do dia 21/01/2013

PROCESSO SELETIVO – 1º SEMESTRE/2 013 – FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA (FAETEC) Texto VII para responder às questões 22 e 23.

18 No texto, o uso de expressões informais indicam (A) variação social. (B) variação regional. (C) variação histórica. (D) linguagem poética. (E) linguagem técnica.

19 O trecho final “Momento de histeria. /  Estamos fritas!”  produz, no texto, um sentido de (A) humor. (B) reflexão. (C) conselho. (D) denúncia. (E) satisfação.

O buraco a memória Coisa misteriosa, para mim, é um buraco, qualquer buraco. Na infância, ficava intrigado: quanto mais terra tirava, mais terra havia. O uraco não acabava, a menos que eu fosse parar no Japão, que me garantiam estar bem embaixo do meu qui tal, no Lins de Vasconcelos, mas do outro lado do plan ta. Seria exagero, nada tinha a fazer no Japão. Memória também é u buraco, quanto mais se tira matéria, mais matéria aparece. E, ao contrário dos buracos que fazia no quintal, nem a ianta ir até o fundo, pois não há nada, nenhum Japão no f undo dela. (Cony, Carlos Heitor. Crônicas para ler na escola. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.)

Texto VI para responder às questões 20 21.

22 Em “Na infância, ficava intr igado:...” , o termo em destaque, substituído por “ficand o” , indica uma ideia de (A) dúvida. (B) condição. (C) finalização. (D) continuidade. (E) possibilidade.

23 De acordo com o texto, “buraco” e “memória”  (Disponível em: .)

20 Indique o objeto que está sendo usado numa situação nova, diferente do que seria o comum. (A) O carro. (B) Avental. (C) Jarra de óleo. (D) Lenço no pescoço. (E) Chapéu de chef de cozinha.

21 Leia o trecho a seguir. “Até que agora começaram a pipocar no as sobre o ‘descarte do óleo’. Ou seja: como jogar aq ele óleo usado  fora!? Segundo os cientistas, o óleo dos p stéis pode ser o responsável por enchentes, morte dos fit  plânctons e até  pelo aquecimento global! E não pense qu isso não tem a ver com você porque a única coisa que você cozinha é ovo na manteiga. Porque agora, comer uma coxinha é quase um crime contra o planeta, se você pensar bem.”  É correto afirmar que o trecho, em relaç o à charge, (A) trata do mesmo assunto. (B) usa a mesma linguagem. (C) trata de assunto diferente. (D) indica o mesmo gênero textual. (E) demonstra a mesma solução para o p oblema.

correto afirmar que entre

(A) não há qualquer comparação. (B) há um complemento de significados. (C) é estabelecida uma mes a definição. (D) há uma comparação co certa diferença. (E) há uma comparação co nenhuma diferença.

Texto para responder à qu stão 24. Troco um fusca branco por um cavalo cor de vento um cavalo mais veloz que o pensamento Quero que ele me leve pra em longe e que galope ao deus-dará que já me cansei deste eng rrafamento... (Roseana Murray – “Classificados Poéticos.” Editora Miguilim, 1984.)

24 Para apresentar o “cavalo”  o poema, a autora faz um(a) (A) pergunta. (B) definição. (C) descrição. (D) comentário. (E) exclamação.

Concomitância Inter a e Externa/Integrado/Ensino Médio/Normal de Nív l Médio -4-

Prova aplicada em 20/01/2013 – Disponível no site www.consulplan.nete www.faetec.rj.gov.bra partir do dia 21/01/2013

PROCESSO SELETIVO – 1º SEMESTRE/2 013 – FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA (FAETEC)

MATEMÁTICA

29

25

A razão entre os comprime ntos de duas circunferências de raios iguais a 2 cm e r é /9. O valor de r é

Em uma determinada escola, cada alun tem uma aula de educação física por semana. Cada aul a é dividida em 2 atividades: futebol e basquete. Consi ere que, numa certa semana, 42% dos alunos que compareceram  jogaram basquete e 290 alunos jogaram futebol. Se 20% dos alunos da escola não compareceram, então o número de alunos dessa escola é

(A) 4 cm. (B) 5 cm. (C) 6 cm. (D) 7 cm. (E) 8 cm.

30

(A) 400. (B) 500. (C) 550. (D) 625. (E) 650.

A soma dos 3 menores divisores pares de 60 é igual a x e a soma dos 3 menores di isores ímpares de 36 é igual a y. O produto x . y é

26 Maria tem o hábito de caminhar em vo lta da praça de sua cidade, cujo formato é um quadrilá tero. Certo dia, Maria caminhou 7 voltas em torno dessa praça, percorrendo um total de 5,6 km. Assim, o p erímetro dessa praça é

(A) 120. (B) 124. (C) 144. (D) 156. (E) 169.

31 O segmento DE, conforme figura a seguir, é paralelo a BC.

(A) 600 m. (B) 650 m. (C) 700 m. (D) 750 m. (E) 800 m.

27 Em sua viagem à Bahia, Rogério gastou 5 horas, com uma média de 120 km/h. Na volta, ele fez uma média de 150 km/h. Logo, Rogério gastou na v lta (A) 3 horas. (B) 3 horas e 30 minutos. (C) 3 horas e 40 minutos. (D) 4 horas. (E) 4 horas e 30 minutos.

A medida de x é (A) 30. (B) 35. (C) 36. (D) 45. (E) 60.

32

28 Na figura a seguir, M é o ponto médio d segmento AC.

Um caminhão fez uma viagem de 240 km em 5 horas. Sabe-se que, em seguida, realizou uma viagem de retorno pelo mesmo trajeto e gast ou 2 horas a menos. Logo, a velocidade média desenvol ida no percurso de ida e volta foi de (A) 50 km/h. (B) 56 km/h. (C) 60 km/h. (D) 72 km/h. (E) 92 km/h.

33 A área hachurada no interior da figura 2

(A) 7 cm . 2 (B) 9 cm . 2 (C) 10 cm . 2 (D) 12 cm . 2 (E) 18 cm .

ede

Sílvio é filho de Celso e tem 1/3 da idade de seu pai. Celso é filho de Orlando e em 3/5 da idade de seu pai. A razão entre as idades de ílvio e Orlando é (A) 0,10. (B) 0,15. (C) 0,20. (D) 0,25. (E) 0,30.

Concomitância Inter a e Externa/Integrado/Ensino Médio/Normal de Nív l Médio -5-

Prova aplicada em 20/01/2013 – Disponível no site www.consulplan.nete www.faetec.rj.gov.bra partir do dia 21/01/2013

PROCESSO SELETIVO – 1º SEMESTRE/2 013 – FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA (FAETEC)

34

38

No lançamento simultâneo de 2 dados iguais, quantos resultados com faces distintas é possível obter?

Cássio correu em torno de um campo de futebol, cujo comprimento é igual a 100 m, completando um total de 15 voltas e 5.040 m. A largu a desse campo é um número divisível por

(A) 12 (B) 15 (C) 20 (D) 24 (E) 30

(A) 4. (B) 5. (C) 6. (D) 7. (E) 9.

35 Numa estante encontram-se 30 livros e história, x de português, y de filosofia, 12 de ciências e 15 de geografia. Os livros são separados da seguinte form : em uma prateleira encontram-se os li  ros de história,  português e ciências, num total de 60 li vros; em uma outra prateleira encontram se os livros de  filosofia e geografia, num total de 50 li  ros. O total de livros de português e filosofia é •

39 A tabela a seguir apresenta os dias trabalhados por uma pessoa no período de dois eses.



(A) 48. (B) 49. (C) 52. (D) 53. (E) 57.

Mês

Di s trabalhados

Março Abril

de 18 a 31 3/5 do mês

Se o número de horas tra alhadas por dia é igual a 8, quantas horas essa pessoa trabalhou nesses dois meses?

36 No depósito de uma padaria estão arma enados pacotes de farinha e açúcar. Considere que 45 pa cotes de farinha são da marca A e x são da marca B. Se o número de pacotes de açúcar é igual ao triplo do nú ero de pacotes de farinha, e o total de pacotes dos dois rodutos é igual a 348, então x é (A) 40. (B) 42. (C) 45. (D) 48. (E) 60.

(A) 214 horas (B) 216 horas (C) 224 horas (D) 240 horas (E) 256 horas

40 Natan fez um teste compo sto por duas partes: uma de português e outra de mat mática. Gastou 55 minutos em cada uma delas. Consi erando que Natan terminou o teste às 15 horas e 40 inutos, então o teste teve início às (A) 13 horas e 40 minutos. (B) 13 horas e 50 minutos. (C) 13 horas e 55 minutos. (D) 14 horas e 05 minutos. (E) 14 horas e 10 minutos.

37 A figura a seguir foi dividida em 3 triâng los.

41 A soma do numerador e denominador da fração irredutível e equivalente a 96/256 é (A) 9. (B) 11. (C) 12. (D) 13. (E) 15.

42 A medida do ângulo ABC é

O comprimento de um retângulo de área 50 cm2 é x + 3. Se o perímetro desse triângulo é 30 cm, então x é

(A) 75°. (B) 80°. (C) 85°. (D) 90°. (E) 95°.

(A) 2. (B) 4. (C) 5. (D) 6. (E) 7.

ˆ

Concomitância Inter a e Externa/Integrado/Ensino Médio/Normal de Nív l Médio -6-

Prova aplicada em 20/01/2013 – Disponível no site www.consulplan.nete www.faetec.rj.gov.bra partir do dia 21/01/2013

PROCESSO SELETIVO – 1º SEMESTRE/2 013 – FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA (FAETEC)

43

47

Caminhando pelo calçadão de uma praia, Jonas percebeu que havia um quiosque a cada 400 m. S do primeiro ao último quiosque ele caminhou 2.400 m, ntão, o número de quiosques que existem nesse calçadã é

A soma dos 3 menores nú eros inteiros negativos com apenas dois algarismos, se do esses distintos, é

(A) 5.

(C) – 123.

(B) 6.

(D) – 291.

(C) 7.

(E) – 294.

(A) – 36. (B) – 39.

(D) 8. (E) 9.

48

44 Márcia comprou 600 gramas de queij o por R$12,60. Quanto ela teria economizado se tivesse comprado a mesma quantidade de queijo, porém de uma outra marca, cujo preço é R$18,00, o quilo?

Considere que num cofre á apenas moedas de R$0,50 e notas de R$2,00, totaliza do R$25,00. Se a metade do número de moedas é igu al ao triplo do número de notas, então o número tot l de moedas e notas é (A) 26. (B) 30.

(A) R$1,20

(C) 35.

(B) R$1,50

(D) 37.

(C) R$1,80

(E) 40.

(D) R$2,10 (E) R$2,40

45 Qual das expressões a seguir tem com o resultado um número natural? (A) 4 × 7 – 5 × (9 – 3) (B) 4 × (7 – 5) – (9 + 3) (C) (4 – 7) × 5 – (9 × 3) (D) (4 + 7) – 5 × (9 – 3) (E) 4 × (7 – 5) – (9 – 3)

46 No começo de um certo mês, Jorge possuía x reais em sua conta bancária. Durante o referido mês, foram realizadas as movimentações descritas a seguir: Saque

R$ 200,00

Depósito

R$ 750,00

Saque Pagamento do cartão

R$ 150,00 R$ 15,00

Saque

R$ 240,00

Ao findar desse mês, Jorge observou que havia um saldo positivo de R$300,00 em sua cont . Assim, o valor de x é (A) R$125,00. (B) R$150,00. (C) R$155,00. (D) R$180,00. (E) R$200,00.

Concomitância Inter a e Externa/Integrado/Ensino Médio/Normal de Nív l Médio -7-

Prova aplicada em 20/01/2013 – Disponível no site www.consulplan.nete www.faetec.rj.gov.bra partir do dia 21/01/2013

INSTRUÇÕES 1. Material a ser utilizado: caneta esferográfica de tinta azul ou preta. Os objetos restantes devem ser colocados em local indicado pelo fiscal da sala, inclusive aparelho celular desligado e devidamente identificado.

2. Não é permitida, durante a realização das provas, a utilização de máquinas calculadoras e/ou similares, livros, anotações, impressos ou qualquer outro material de consulta. Especificamente, não é permitido que o candidato ingresse na sala de provas sem o devido recolhimento, com respectiva identificação, dos seguintes equipamentos: telefone celular ou similares, bip, notebook ,  palmtop, receptor, gravador, máquina fotográfica, controle de alarme de carro, relógio digital, etc.

3. Durante a prova, o candidato não deve levantar-se, comunicar-se com outros candidatos e nem fumar. 4. A duração da prova é de 04 (quatro) horas, já incluindo o tempo destinado à entrega do Caderno de Questões e à identificação – que será feita no decorrer da prova – e ao preenchimento do Cartão de Respostas (Gabarito).

5. Somente em caso de urgência pedir ao fiscal para ir ao sanitário, devendo no percurso permanecer absolutamente calado, podendo antes e depois da entrada sofrer revista através de detector de metais. Ao sair da sala no término da prova, o candidato não poderá utilizar o sanitário. Caso ocorra uma emergência, o fiscal deverá ser comunicado.

6. O Caderno de Questões consta de 48 (quarenta e oito) questões de múltipla escolha. Leia-o atentamente. 7. Será aplicada uma Redação somente para os candidatos inscritos no Vestibular para ingresso nos cursos da FAETERJ’s e Institutos Superiores.

8. As questões das provas objetivas são do tipo múltipla escolha, com 05 (cinco) alternativas (A a E) e uma única resposta correta. 9. Ao receber o material de realização das provas, o candidato deverá conferir atentamente o Caderno de Questões, bem como os dados constantes no Cartão de Respostas (Gabarito) que lhe foi fornecido, estão corretos. Caso os dados estejam incorretos, ou o material esteja incompleto ou tenha qualquer imperfeição, o candidato deverá informar tal ocorrência ao fiscal.

10. Os fiscais não estão autorizados a emitir opinião e prestar esclarecimentos sobre o conteúdo das provas. Cabe única e exclusivamente ao candidato interpretar e decidir.

11. O candidato poderá retirar-se do local de provas somente a partir dos 60 (sessenta) minutos após o início de sua realização.

12. Os 3 (três) últimos candidatos de cada sala somente poderão sair juntos. Caso o candidato insista em sair do local de aplicação das provas, deverá assinar um termo desistindo do Processo Seletivo e, caso se negue, deverá ser lavrado Termo de Ocorrência, testemunhado pelos 2 (dois) outros candidatos, pelo fiscal da sala e pelo coordenador da unidade.

RESULTADOS E RECURSOS - Os gabaritos preliminares das provas objetivas serão divulgados na Internet, nos sites www.faetec.rj.gov.br e www.consulplan.net, a partir do dia 21/01/2013. - O candidato que desejar interpor recurso poderá recorrer por meio de requerimento, em formulário próprio, disponível na página eletrônica www.faetec.rj.gov.br, nos dias 22 e 23 de janeiro de 2013 até as 21h00min. - O recurso deverá sempre ser individual e preenchido pelo requerente. Deve constar dos seguintes dados: nome do candidato, número de inscrição, município e unidade de ensino, curso, forma de organização, turno ao qual concorre e o motivo do recurso. As questões contra as quais deseja recorrer devem ser apresentadas em folhas separadas, com a indicação devidamente fundamentada para qual o candidato se julga prejudicado.

View more...

Comments

Copyright © 2017 ZILADOC Inc.